Hermeto Pascoal

24 de mai de 2011 Postado por Fernando
Você gostaria de indicar uma próxima toonada?
Comente aqui ou escreva para:: fer.souza.mail@gmail.com

Anos atrás, uns amigos e eu visitamos o Festival de Inverno de Paranapiacaba, e me lembro que naquele ano, as atrações musicais não eram tão atrativas. Não que os músicos não fossem bons, mas para tipos que gostavam de conhecer coisas novas, com uma pegada mais cultural ou alternativa, os conjuntos pops da noite não ajudavam mesmo a esquentar o clima gélido daquelas ruazinhas de paralelepípedo. A grande atração do sábado era o tão falado Hermeto Pascoal, mas como os ingressos estavam esgotados, parecia que esse programa ficaria de fora do nosso roteiro. Na época eu conhecia o músico só de ouvir falar. Me diziam que ele tocava todos os instrumentos e que era mais que um gênio musical, ele era sobrenatural, uma força da natureza, o quinto elemento... Particularmente eu não confiava muito na opinião daquele pessoal porque eles tinham o costume de exagerar um pouco quando descreviam algo que gostavam. Mas a ocasião parecia ser diferente. O grupo estava tão obstinado pela idéia de ver o Hermeto que mesmo sabendo que a casa estava lotada, decidiram argumentar com o segurança guarda-roupa de guarda na porta, pedindo para deixar-nos entrar só um pouco. Resumindo, acho que o rapaz também percebeu como era importante pra turminha ver o alagoano tocar que ele nos ofereceu um acesso lateral para o espetáculo, bem perto da palco. Então entramos.

Antes de chegarmos no espaço fechado, eu ouvi o som do show que já havia começado. Pelo que eu entendia, me pareceu que estavam tocando percussão e alguém, talvez o Hermeto, tocava trombone. Já que ele era multi-instrumentista, a conclusão parecia razoável. Entrando de vez no lugar e enfim podendo ver o palco, eu tive “a surpresa”. Aqueles sons que eu ouvira de fora não eram de instrumentos tradicionais. O que me soou como percussão, na verdade eram três pessoas batendo chinelos Havainas no chão, nas pernas e um contra o outro. O som de metal era tocado pelo Hermeto mesmo, mas também não era trombone. Ele tinha nas mãos um grande tubo branco de pvc, um desses mais largos, usados no esgoto. Ele estava soprando dentro dele com uma outra coisa que eu não percebi direito o que era. Depois de um tempo, apareceram mais tubos de pvc e outras coisas que eram tudo, menos instrumentos musicais. Alguém do meu lado me disse: “Ele toca tudo”. Eu já havia percebido isso porque senti que ele havia tocado a mim também.

Grupos que improvisam instrumentos musicais de sucata e assim por diante já eram coisa comum pra mim, mas o que eu vi naquela noite realmente me fez comprovar a fama do grande gênio musical. O show seguia inesperado, intrigante, estranhamente descontraído e ao mesmo tempo intimista. A impressão que eu tinha era que, sob a regência do mestre, os músicos estavam improvisando e fazendo um laboratório sonoro ao vivo.

Hermeto Pascoal não é apenas um músico, mas um perito em sons, ou quem sabe os sons, todos eles, sejam música e nós não sabemos até que ele nos revele.

Domingo passado, 22 de Junho, Hermeto completou 74 anos.

Ilustração um pouco mais elaborada. Clique para ampliar, por favor.


O vídeo abaixo é imperdível. =)

2 Response to "Hermeto Pascoal"

  1. Saber Interiorano Says:

    Camarda, seu trabalho é incrível. Essa ilustração do 'Hermeto da Floresta' está demais!... Parabéns. Creio que seu nome é Fernando Souza (juntando o nome de quem posta com o sobrenome do e-mail). Como posso citar seu trabalho? Blog Toonadas?

    Saudações interioranas,

    Pablo

  2. Fernando Says:

    Olá Pablo. É um prazer receber seu comentário. Fico contente em saber que pretende divulgar o blog. Fique a vontade. E se puder, me mande o link. Grande abraço.

Postar um comentário

BlogBlogs.Com.Br